© 2017 por Tabiji/Roberto Maxwell. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por

03/06/2018

Please reload

Posts Recentes

O fim da linha

03/06/2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

O fim da linha

03/06/2018

 

 

Esta é a nona e última parte do especial sobre a série em dois episódios do Globo Repórter que foi ao ar nos dias (18 e 25 de maio), produzida em homenagem aos 110 anos da imigração japonesa no Brasil.

 

Hokkaido é a última fronteira do Japão ao norte. Terra fria, é a primeira a ver a neve e a última a ver o florescer das cerejeiras no território japonês. Partindo de Kanazawa, a viagem até o norte é longa. Embarque na linha Hokuriku do trem-bala Shinkansen até Omiya. De lá, faça uma baldeação para o Shinkansen da linha Tohoku e siga até o ponto final, Shin-hakodate-Hokuto, onde você embarca no expresso Hokuto até Sapporo, a capital da província que leva o nome da ilha. São cerca de 11 horas de viagem com uma única vantagem: está toda coberta pelo seu JR Pass.

 

Depois de uma longa jornada, seu objetivo certamente será o descanso. Em Sapporo, os leitores do site TripAdvisor elegeram como melhor estadia o Unwind Hotel & Bar, um espaço com quartos espaçosos e aconchegantes, próximo à estação Nakajima Koen da linha Namboku do metrô. A viagem ferroviária entre a estação de Sapporo até o hotel custa ¥200. Para conhecer bem a cidade, pense em, pelo menos, dois pernoites somente em Sapporo ao custo de ¥13.334 a diária.

 

Na segunda edição do Globo Repórter, Márcio Gomes mostra o Mercado Nijo, que fica a 1,5 km do hotel Unwind, uma caminhada que não é nada mal depois de uma boa noite de sono. Pode ser o local para conhecer bem a imensidão de frutos do mar que é consumida pelos japoneses. Peixes, moluscos, equinodermas e partes estranhas como ovas e até fluido seminal fazem parte da gastronomia do país. Foi lá que o nosso repórter encontrou o caranguejo-rei que custa quase 300 dólares. Bem, obviamente não vale a pena para um viajante incluir a iguaria na sua lista de gastos. Porém, vale a pena provar o uni ikura donburi, uma tigela de arroz com ouriço-do-mar e ovas de salmão em cima. Reserve uns ¥3.500 para provar o prato.

 

O caranguejo-rei é uma iguaria que custa USD300 a unidade.

(frame do programa Globo Repórter)

 

Sapporo é uma grande cidade e tem vários outros locais interessantes que merecem sua visita e que não aparecem na reportagem como o museu a céu aberto Historic Village e o Sapporo Beer Museum, sobre a cerveja que leva o nome da ilha. No início de fevereiro, a cidade organiza no Parque Odori um impressionante festival da neve, com esculturas de até 25 metros de altura. A cidade ‘ferve’ de gente e o ideal é planejar essa visita com antecedência. Também é bom estar preparado para o frio. As temperaturas médias chegam a 4 graus negativos.

 

Acima das nuvens

Outro local bacana que aparece no segundo episódio do programa é o Unkai Terrace, o terraço do mar de nuvens, que fica na pequena cidade de Tomamu, a pouco menos de 2 horas de trem partindo de Sapporo. Trata-se de um local onde se pode apreciar uma torrente de nuvens relativamente baixas causada por uma conjunção entre correntes e pressão atmosférica. Chamado de unkai, o fenômeno pode ser visto no período entre maio e outubro. O hotel Hoshino Resorts Tomamu tem uma plataforma que fica acima das nuvens, como a reportagem.

Plataforma permite uma visão acima do mar de nuvens.

(imagem: site do Unkai Terrace)

 

Partindo de Sapporo, é possível embarcar num trem expresso da JR até Tomamu. De lá, um ônibus gratuito leva até a entrada do resort. Para chegar até a plataforma de onde se vê o mar de nuvens, é preciso pegar um teleférico cuja viagem de ida e volta custa ¥1.900, caso você não esteja hospedado nos hotéis Hoshino Resorts.

 

Como o fenômeno ocorre à tarde, é preciso dormir no local. A diária no Tomamu The Tower, o mais simples dos dois hotéis vizinhos administrados pela Hoshino Resorts no local, é de ¥12.038 para uma pessoa. Neste caso, vale lembrar que não é necessário pagar pelo teleférico para subir até o mirante.

 

Fim da linha

Wakkanai é o município mais setentrional do Japão. De seu ponto extremo, o Cabo Soya, é possível ver a ilha Sacalina, atualmente parte do território da Rússia. É neste local que o repórter Márcio Gomes encerra seu último Globo Repórter no Japão.

 

Partindo de Sapporo, a viagem de trem-expresso até Wakkanai está incluída no JR Pass e dura cerca de 5 horas. Nesta estação, fica um monumento que marca o local mais afastado em que se pode chegar numa viagem de trem para o norte do Japão. É, literalmente, o fim da linha. Mas, como o próprio repórter pontuou, pode ser ali, também, o lugar para um novo começo.

 

Venha você também conhecer o Japão. E se precisar de uma mãozinha, conte com a gente. O Tabiji é você viajando pelo Japão.

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Procurar por tags