© 2017 por Tabiji/Roberto Maxwell. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por

03/06/2018

Please reload

Posts Recentes

O fim da linha

03/06/2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

A maior metrópole do mundo

03/06/2018

 

 

30, 35, 40 milhões de habitantes. Dependendo da forma como se conta, o número muda. Mas numa coisa não há controvérsia: Tóquio é a maior aglomeração urbana do planeta. Em nenhum momento da história, em nenhum outro lugar do mundo, tivemos tantas pessoas vivendo sob o mesmo céu. Nesta  megalópole que nunca parece estar vazia, gente de todo o planeta vive num lugar onde o novo e o antigo estão em permanente diálogo.

 

Com tanto para ver, Tóquio exige tempo. No mínimo, cinco dias que você pode passar no ryokan (pousada tradicional) Sawanoya, escolhido pelos leitores do TripAdvisor como a melhor experiência em estadia na megalópole. O ambiente e o atendimento são como os das antigas hospedagens do século passado e o site do local parece ter saído dos primórdios da internet. Mas ali mesmo, em sua casa virtual, vê-se que o ryokan já entrou há muito na contemporaneidade: selo LBGT Friendly, certificado de redução na emissão de CO2 etc. Mais toquiota impossível. No Sawanoya, um quarto com banheiro para até duas pessoas sai por ¥11.664 a diária. Multiplique por cinco e se prepare para começar a explorar um dos locais mais fantásticos do mundo.

 

O velho...

Márcio Gomes começa a sua viagem em Tóquio por um dos bairros mais interessantes da megalópole: Sugamo. Como Yanaka, onde se localiza o Sawanoya, Sugamo fica no norte da área mais central de Tóquio. A região é formada por locais que foram menos atingidos por bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial. Por isso, você consegue apreciar melhor a arquitetura de Tóquio antes da bolha econômica, com mais casas que prédios e muitos resquícios do passado como os nagaya, construções residenciais muito simples, umas coladas às outras. Essas áreas de Tóquio que ficam ao norte e preservam esta paisagem mais antiga são chamadas de shitamachi, ou seja, “cidade baixa”.

 

Sugamo é conhecido pelo Jizodori, um calçadão comercial de 800 metros de comprimento apelidado carinhosamente de “Harajuku das Senhoras”. Para referência, Harajuku é o bairro que o repórter visita logo depois no segundo episódio,  um local onde os jovens dominam. O calçadão Jizodori tem um público mais maduro, da terceira idade. E é bem interessante notar não somente a preocupação do comércio com esses clientes — com áreas de descanso e muito mimo — mas, também, a moda, com roupas e acessórios que parecem ter saído de filmes dos anos 70. Um dos ítens de maior sucesso no Jizodori são as roupas íntimas de cor vermelha que, segundo os usuários, dá... sorte! (E você aí estava pensando em outra coisa, né?) E a crença não é aleatória, não? Tudo está muito bem fundamentado nos conhecimentos da medicina oriental.

 

Calçadão Jizodori e seus elementos tradicionais.

(imagem: Roberto Maxwell)

 

Um dos personagens que aparece no programa em Sugamo é o Seu Motohide Tamura, de 77 anos. Ele é dono de uma loja de chapéus que leva o seu sobrenome. O estabelecimento funciona desde 1932, ou seja, é quase uma instituição no Jizodori. Siga o link, dê um alô para o seu Tamura e diga a ele que o viu num programa do outro lado do mundo. Acredito que ele vá gostar.

 

...e o novo

Embarque na Yamanote — a linha circular da JR que passa pelos principais pontos da região mais central de Tóquio — e siga até Harajuku, o bairro mais jovem de Tóquio, um excelente contraponto a Sugamo. Lá, o equivalente ao Jizodori é o Takeshitadori. Sempre lotado, esse calçadão atrai não somente os adolescentes e jovens japoneses mas, também, os turistas estrangeiros em busca das novidades e das guloseimas. Aqui, o repórter se impressionou — e se refestelou — com o colorido de confeitos como o algodão-doce Sweet XO Good Grief  que lembra um arco-íris (¥972, no tamanho regular) e com o croquant chou da Zaku Zaku (¥250), que parece um churro mas tem massa mais leve e é recheado com creme.

 

O algodão doce multicor é um dos confeitos que turistas e locais amam em Harajuku.

(frame do programa Globo Repórter)

 

Márcio visitou, também, o Kawaii Monster Cafe, um espaço que eleva à última potência o conceito dominante em Harajuku, o kawaii. Este adjetivo é usado para qualificar as coisas como ‘fofinhas’, ‘bonitinhas’. A estética kawaii tem origem nos anos 1970 foi espalhada pelo mundo através dos mangás, animês e outros produtos da indústria cultural japonesa. No Kawaii Monster Cafe, as mesas ganham o formato de tortas multicoloridas, as paredes têm bocas bem vermelhas e até as comidas tem essa cara "fofinha". O repórter provou a Colorful Rainbow Pasta, um espaguete colorido servido como se fosse uma aquarela (¥1.300); e o Colorful Poison Parfait Extreme (¥2.300), que leva frutas, sorvetes, cremes, rocambole…

 

Depois de tanto açúcar, você vai querer se movimentar um pouco e vale a pena caminhar pelo calçadão da Takeshita-dori para conferir as roupas, acessórios e tudo o mais que os jovens japoneses andam usando. Mais adiante, você pode passar para a Omotesando, uma avenida larga e repleta de lojas das marcas mais desejadas (e caras!) do planeta.

 

Subindo a Omotesando, você chega ao cruzamento com a Avenida Aoyama. Com mais um pouco de disposição, você pode caminhar até o Honda Welcome Plaza Aoyama, o espaço de exposições da grande fabricante japonesa. Ali, é possível visitar o Asimo, um dos simpáticos robôs que aparecem na reportagem. A empresa também usa o espaço para exibir o UNI-CUB, um pequeno veículo de transporte pessoal que costuma chamar a atenção dos visitantes. As demonstrações são feitas duas ou três vezes ao dia e nem sempre os dois produtos podem ser vistos em ação na mesma demonstração.

 

Bem ao lado do Honda Welcome Plaza Aoyama fica a estação Aoyama-itchome das linhas Ginza e Hanzomon do Tokyo Metro. Não é possível usar o JR Pass nessa viagem (¥170) mas use as linhas Ginza ou Hanzomon para chegar até Shibuya. É lá que você vai finalmente atravessar o maior cruzamento do mundo e se encontrar com o Hachi, o cãozinho fiel da raça akita, que teve sua história contada no filme Sempre Ao Seu Lado, com Richard Gere. Se você tiver sorte, será noite e estará tudo iluminado, como nas cenas do filme Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio. Coloca os fones de ouvido em ouça bem alto Tokyo Drift, hit chiclete grupo japonês de hip-hop Teriyaki Boys. Afinal, você está em Tóquio!!!

 

 4:17 | Teriyaki Boys, Tokyo Drift

 

Clique para ler a sexta parte da reportagem.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Procurar por tags